polis

A cidade é o objeto da preocupação maior da filosofia platônica, que toma sempre por horizonte de suas investigações, sejam as mais especulativas, a melhor maneira de governar a vida comum. A cidade, a fim de levar uma vida feliz, deve realizar uma unidade, que Platão apresenta como aquela de uma alma, de um objeto técnico em seguida de um ser vivo. Se a concepção platônica da cidade sofreu um certo número de mudanças nos diá , a questão política à qual estas aproximações sucessivas buscam responder permanece sempre idêntica: como unificar uma multiplicidade? O múltiplo em questão é aquele dos elementos que compõem a cidade e das funções e forças diversas que aí se encontram. (Luc Brisson)

Xavier & Cornelli: A cura da cidade

Em sua viagem ficcional às Ilhas dos Bem-aventurados, Luciano de Samósata narra ter encontrado as almas de todos os filósofos do passado, com a exceção de Platão: "somente Platão não estava: segundo as vozes que circulavam por lá, ele estaria morando na cidade que havia inventado para si, onde vivia conforme as leis e a constituição que ele mesmo havia escrito" (Vera historia II, 17).

politeia

gr. politeia = Estado. Se a etimologia remete ao latim status (de stare), o sentido da palavra remete ao grego polis (cidade) e ao latim civitas. A palavra Estado, no entanto só aparece no século XVI em Guichardin e Machiavel. [Notions philosophiques]

Do Mito à Razão (III): Filosofia, Política, Moeda e Ser

A solidariedade que constatamos entre o nascimento do filósofo e o aparecimento do cidadão não é para nos surpreender. Na verdade, a cidade realiza no plano das formas sociais, esta separação da natureza e da sociedade que pressupõe, no plano das formas mentais, o exercício de um pensamento racional. Com a Cidade, a ordem política destacou-se da organização cósmica; aparece como uma instituição humana que é objeto de uma indagação inquieta, de uma discussão apaixonada.

Thomas Taylor: THE NICOMACHEAN ETHICS I-2

If, therefore, there is a certain end [telos] of actions [praxis], which we wish [to obtain] for its own sake, but we desire other things on account of this, and our choice is not directed to all things for the sake of something else (for thus there would be a progression to infinity, so that appetite would -be empty and vain)—if this be the case, it is evident that this end will be the good [agathon], and that which is the most excellent [ariston]. Will not, therefore, the knowledge [gnosis] of this end be of great importance with respect to life [bios] ?

Taylor: ALC1 (104e-119a) — As ambições secretas de Alcibíades

SOC. I must say it then: and though it is a hard task for any man to address the person whom he loves or admires, if that person be superior to flattery, yet I must adventure boldly to speak my mind. If, Alcibiades, I had observed you satisfied with those advantages of yours, which I just now enumerated; if you had appeared to indulge the fancy of spending your whole life in the enjoyment of them; I persuade myself, that my love and admiration of you would have long since left me.