Sympanton

A "mente de todos em comum" (sympanton) é a mente do "Eu de todas as coisas" de Platão, Phaedo, 83B: "A filosofia exorta a alma a apostar somente no Eu dessa alma, exorta-a a crer que ela pode conhecer o seu próprio Eu, que é o mesmo Eu de todos os seres" (auto ton onton = sarvabhutanam atma sanscrítico). Xenofonte observa que "quando o Deus é o nosso mestre, todos passam a pensar de modo igual" (homonoein, Occ. XVII.3). É quando "pensamos por nós mesmos", sabendo muito bem o que gostamos de pensar", que não entramos num acordo.