Enéada IV, 8 – Sobre a descida da alma no corpo

Plotin - Traités. Dir. Luc Brisson et Jean-François Pradeau. garnier-Flammarion, 2002.

Diferentes versões em [[nid:235]]

Plano detalhado do tratado

Capítulo 1: Interrogação sobre as condições da descida da alma no corpo
1-11. Descrição da experiência do inteligível e interrogação sobre a possibilidade da descida da alma.
11-23. Recurso aos pensamentos de Empédocles e de Heráclito.
23-50. Recurso aos diálogos platônicos a fim de esclarecer duas concepções da descida da alma: destinação individual ou necessidade cosmológica.

Capítulo 2: A bem-aventurada governança do corpo
1-10. Os três eixos de pesquisa que permitirão resolver a questão: a alma em geral; o mundo; o produtor do universo.
10-19. Análise daquilo que teria sido a situação dos corpos e se as almas individuais não teriam mergulhado neles em comparação com a situação do corpo do universo.
19-26. A alma individual conserva a possibilidade de participar na governança do universo.
26-38. A governança do corpo pela alma do universo se distingue daquela que exerce a alma individual sobre seu próprio corpo.
38-53. O caso das almas dos astros: como a alma do universo, elas podem governar o corpo preservando sua felicidade.

Capítulo 3: Comparação entre a alma e o Intelecto.
1-6. O caso da alma humana: ela sofre de sua relação com o corpo, mas as causas de sua descida são diferentes daquelas que explicam a descida da alma do universo.
7-16. Comparação entre as relações dos intelectos particulares ao Intelecto universal.
16-30. Ilustração destas relações pela imagem da cidade dotada de uma alma e pela imagem das diversas formas de fogo.
21-30. Aquilo que diferencia a alma do Intelecto: ajunta ao pensamento a função de governar os corpos.

Capítulo 4: A queda das almas individuais.
1-10. A dualidade das almas individuais: por sua parte superior, podem habitar aqui lá, próximo a Alma universal.
10-25. O isolamento e a queda das almas.
25-35. O caráter "anfíbio" das almas, que vivem aqui permanecendo lá.
35-42. Comentário da produção e da semeadura das almas no Timeu.

Capítulo 5. A descida da alma é ao mesmo tempo voluntária e necessária.
1-10. Retomada das expressões de Platão, Empédocles e Heráclito: não há contradição entre os caracteres necessários e voluntários da descida da alma.
10-24. A falta da alma e seu castigo.
25-37. A alma é de natureza divina; desce no corpo para exercer sua potência e manifestar aquilo que é.

Capítulo 6: A potência herdade do Uno se estende à totalidade do real.
1-10. Da mesma forma que o Uno engendra necessariamente uma realidade depois dele, a alma deve do mesmo modo engendrar o corpo.
10-16. A potência que vem do Uno estende-se a todas as coisas.
16-23. A alternativa concernente a matéria: seja eterna e não engendrada, seja ela engendrada por causas que a precedem.
23-28. O sensível manifesta o inteligível e as duas ordem de realidade são solidárias.

Capítulo 7: O estatuto intermediário da alma entre o sensível e o inteligível.
1-7. Pelo fato de sua dupla identidade, sensível e inteligível, a alma ocupa um nível médio na hierarquia do real.
7-17. A alma temerária que se precipita no corpo sofre de sua relação com ele; as a experiência do mal pode também lhe permitir, por contraste, melhor conhecer o bem.
17-23. Comparação do movimento de saída fora do Intelecto e do movimento que sai da alma.
23-31. Distinção da situação das almas individuais e da situação da alma do universo.

Capítulo 8: possibilidade para a alma de governar o corpo preservando sua relação ao Intelecto.
1-13. Aquilo que é pensado pela parte superior da alma só nos é perceptível se a parte sensível não predomina.
13-23. A alma do universo governa graças ao Intelecto; as almas parciais devem recorrer ao raciocínio, posto que elas não podem sempre perceber a presença do Intelecto.