Caeiro

CAEIRO, António de Castro. A arete como possibilidade extrema do humano. Fenomenologia da práxis em Platão e Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002.

Caeiro: kinesis

Extrato de CAEIRO, António de Castro. A arete como possibilidade extrema do humano. Fenomenologia da práxis em Platão e Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002, p. 284-285

Caeiro: êthos

A problematização do acesso ao bem é, como vimos, central e decisiva em Platão. O seu esforço vai no sentido de tematizar uma perspectiva que torne possível a constituição de uma perícia a partir da qual se possa identificar o alvo que, tido em vista, nos permite interpretar os fenômenos patológicos nos seus limites prazer e sofrimento . Ao ter em vista um tal alvo , é possível interrogar as movimentações determinadas pela estrutura patológica, e não ficar apenas sob a sua ação.

Caeiro: genesis

Excerto de CAEIRO, António de Castro. A arete como possibilidade extrema do humano. Fenomenologia da práxis em Platão e Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002, p. 289

morphe

Excerto de CAEIRO, António de Castro. A arete como possibilidade extrema do humano. Fenomenologia da práxis em Platão e Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002, p. 288

Caeiro: hyle

Excerto de CAEIRO, António de Castro. A arete como possibilidade extrema do humano. Fenomenologia da práxis em Platão e Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002, p. 286-287