Plotino

Plotino (205-270 dC) foi o fundador do neoplatonismo. Seus escritos foram transmitidos na totalidade pela organização dada por Porfírio, as Enéadas. Segundo o próprio Plotino, sua pretensão era de apenas apresentar a doutrina de Platão, mas é original e autônoma sua interpretação. [SCHÄFER]

Doxa-Logos

No médio-platonismo, doxa foi requerida como suplementar à percepção dos sentidos, mas Proclo vai além e faz doxa e logos penetra a percepção. Em seu comentário ao Timeu (1 251, 16-17) doxa é percepção racionalizada (logike).

Filopono concede que um cão reconheça seu mestre sem percebê-lo como uma substância, que iriam requerer doxa, de acordo com Proclo. Ao contrário, o cão requer somente impressões em sua imaginação, e Filopono reconhece a importância de um apego emocional em reconhecimento.

Opinião (doxa)

Segundo Sorabji (2005, p;34), Alcino, o médio-platonista autor do Didaskalikos entre o primeiro e o segundo século dC, assume que Platão sustentava que mesmo a percepção de cor ou do colorido não é sem o tipo de razão que envolve opinião (doxastikos logos), enquanto a discriminação do mel é por este tipo de razão. A opinião em Alcino, seguindo o Teeteto ([[Teet:190e|190e-196c]]) é um poder de reconhecimento. Foi subsequentemente acordado que corpos são reconhecidos pela opinião (Proclo) ou pela razão opinativa (Prisciano).

Conceitos (ennoiai, prolepsis, logoi)

Em Plotino o apelo a conceitos é ainda limitado. Ele fala da necessidade de empregar conceitos já disponíveis no intelecto para reconhecer instâncias de beleza (Eneada-I, 6, 3) ou bondade (Eneada-V, 3, 3) ou fogo (Eneada-VI, 7, 6). Ele também diz que a razão discursiva usa formas (eide) que tem em si mesmo, para passar julgamento (epikrisis) em imagens providas pela percepção dos sentidos (Eneada-I, 1, 9).

Faculdades da Alma em Plotino

Segundo Brisson & Pradeau, Plotino nem sempre adota a distinção platônica dos três poderes da alma, mas segue Aristóteles distinguindo quatro funções psíquicas (De Anima II,2): nutritiva, sensitiva, apetitiva (ou motriz) e intelectiva.

A faculdade sensitiva (aisthetikon, de aisthesis) se manifesta em todo o corpo e não se encontra ligada a nenhuma parte do corpo em particular. Mais precisamente, ela não é exclusivamente ligada aos órgãos dos sentidos.

1f. Objeções à visão envolvendo corpos indo para o e do olho

De muitas maneiras uma física da viagem dos corpos para a visão seria impossível, como demandado por Alexandre, Galeno, Plotino e Philoponus. Objeções paralelas foram levantadas por alguns comentadores (não todos) à luz sendo um corpo ou viajante. Mas estas objeções, embora paralelas, foram cooptadas separadamente, posto que à luz não foi normalmente dada a função de levar informação à vista. Para uma exceção parcial no caso da luz das estrelas, vide Philoponus.

Igal: Ammonio Sakkas e Plotino

Por una rara confidencia a su futuro biógrafo, sabemos que Plotino, cumplidos ya los veintisiete años, se sintió impulsado, sin que sepamos cómo ni por qué, hacia la filosofía. Posiblemente este impulso debe de ser interpretado como una especie de vocación o llamada interior seguida de una conversión, por motivos de transfondo religioso y moral, a la vida filosófica, que debía comenzar naturalmente con un estudio serio de la filosofía. El hecho es que llevado de aquel impulso se puso a estudiar con los maestros más prestigiosos de Alejandría.