thanatos

"A morte é separação entre alma e corpo" (Fédon). "A morte nada é para nós" (Epicuro). "A morte não é um mal, mas o mal é a opinião de que a morte é um mal" (Epiteto).

Igal: Tratado 2,15 (IV, 7, 15) — As almas sobrevivem à desaparição dos corpos

15. Se ha dicho, pues, todo lo que es preciso a aquellos que exigían una demostración. Pero en cuanto a los que piden una prueba sensible, habrá que obtenerla de las numerosas tradiciones que atañen a este asunto, de los oráculos de los dioses que ordenan se aplaque la cólera de las almas inducidas al error y de los honores que son debidos a los muertos en la idea de que no han perdido la sensación, pues eso es precisamente lo que hacen todos los hombres cuando se dirigen a los que ya dejaron esta vida.

Enéada I, 9, 1: O suicídio não é admissível

No te quitarás la vida, para que no salga el alma; porque saldrá llevándose algo a fin de salir efectivamente. Además, salir es trasladarse a otro lugar; el alma, empero, aguarda a que el cuerpo se separe, totalmente de ella, y entonces ella no necesita cambiar de lugar, sino que está totalmente fuera.

¿Y cómo se separa el cuerpo?

Cuando no haya nada del alma que quede ligado porque el cuerpo ya no es capaz de tenerla ligada consigo al dejar de existir la armazón corporal con cuya retención retenía al alma.

A Alma e a Morte

Recolhemos no Fédon, a tentativa de definir a alma como ser imortal (athánaton) e indestrutível (anôlethron) (107a), podendo separar-se do corpo e sendo-lhe superior no conhecimento da verdade dos seres (65b-d); ela é anterior ao corpo, portanto autônoma até que tome forma humana - e entre no discurso imagético da geração - (73a,76e); é uma existência, uma ousía (78d) que se assemelha à forma invisível (79b), tem movimento, participa do uno (81c,84b) e seu pâthos perfeito, se não houvesse a mistura com outras naturezas, é o pensamento (phrónêsis), indício de sua proximidade com o divino (79

Axiocos

O Axiocos onde alternam narração, diálogo e mito, destaca-se do gênero literário da "consolação" praticado por Sêneca, Plutarco e por Cícero.; a obra conheceu uma grande fortuna na Antiguidade, em razão de seu caráter dramático que se associa ao medo que se ampara de uma homem ameaçado pela morte da qualidade de sua argumentação e de seu estilo. Sócrates anda pelas margens do Ilissos para ir ao Cinosargue, quando Clinias, acompanhado de Damon o músico e Cármides, lhe anuncia que seu pais está doente e que vai provavelmente morrer; pede a Sócrates de ir ter com Axiocos, tio de Alcibíades.

thanatos

thánatos (tó) / thanatos: morte.

"A morte [...] é separação entre alma e corpo" (Platão, Fédon, 64c). "A morte nada é para nós" (Epicuro, Carta a Meneceu, D.L.,X, 124)."A morte não é um mal, mas o mal é a opinião de que a morte é um mal" (Epicteto, Manual,V). [Gobry]

Fédon (trad. em português)

Versão eletrônica do diálogo platônico “Fedão”

Tradução: Carlos Alberto Nunes

Créditos da digitalização: Membros do grupo de discussão Acrópolis (Filosofia)

A estrutura do texto, que adotamos abaixo, segue aquela da tradução de Léon Robin, publicada pela Bibliothèque Pléiade.

Fédon e a escola de Elida

Pelo menos a julgar pelo pouco que nos foi legado sobre ele, o menos original dos socráticos menores foi Fédon (a quem, no entanto, Platão dedicou o seu mais belo diálogo). Diz sobre ele Diógenes Laércio: "Fédon de Elide, dos eupátridas, foi capturado quando da queda de sua pátria, sendo obrigado a permanecer em uma casa de transgressores. Mas, fechando a porta, conseguiu fazer contato com Sócrates. Por fim, estimulados por Sócrates, Alcebíades, Críton e seus amigos o resgataram.