Aubry

Gwenaëlle Aubry, nascida em 1971, antiga aluna do ENS-France e do Trinity College de Cambridge, professora e pesquisadora do CNRS-France. Tradutora de Plotino. Obras citadas: Plotin Traité 53. Paris: Cerf, 2004.

Aubry: Conhecer-se a si mesmo

Segundo Aubry (2004, p. 19-22), O desafio do Tratado-53 reside na identificação deste "ti-mesmo" que o preceito délfico propõe, ou impõe, como objeto de elucidação. Ora, este "ti-mesmo" a conversão à interioridade não basta para desvelá-lo. De fato, ela não nos dá então acesso senão ao mim-mesmo sensível, empírico, ao sujeito apaixonado. O tratado se abre assim sobre um litania das paixões (Eneada-I, 1, 1). Eis aí os dados imediatos da consciência, o que, do sujeito, se revela de pronto.

Aubry: Comentário à Enéada I-1-1a6

O primeiro parágrafo do Tratado-53 tem algo de confuso: se ele anuncia o plano do tratado, é sob a forma, enganosa, de uma investigação sobre as faculdades [dynamis]; Plotino passa em revista, segundo uma ordem que se reconhece hierárquica, uma multiplicidade de estados e de operações para perguntar qual é o sujeito [hypokeimenon]. Ora esta investigação não chaga à determinação de um único sujeito de atribuição.

Aubry: A Questão Reflexiva

A questão diretora do Primeiro Alcibíades é aquela da essência do homem. O preceito délfico é interpretado como uma exortação não tanto ao conhecimento de si senão àquela do si em si; ou ainda: o conhecimento de si não é possível senão enquanto tem por objeto a essência na qual a individualidade se anula ao mesmo tempo que a identidade é fundada. Ao contrário em Plotino (o que causa estranheza no Tratado 53). Sem dúvida Porfírio retoma, em seu título, a questão platônica "o que é o homem? ". Mas este título é infiel à démarche platônica.

Aubry: Tratado 53 — Comentários

O Tratado-53 foi posto por Porfírio no início das Enéadas; no entanto é o penúltimo que Plotino compôs. Pode ser surpreendente que a ordem didática vá assim ao inverso da ordem cronológica. A razão é no entanto legível desde as primeiras linhas do texto: este é com efeito tecido de reminiscências do [:Primeiro-Alcibiades]]; assim como ele ;e regido pelo preceito "conhece-te a ti mesmo".