Protágoras

(485-425 aC) Sofista de , de cuja criação literária foram conservados alguns fragmentos. A asserção mais proeminente que lhe é atribuída, a assim chamada expressão homo-mensura (o homem é a medida de todas as coisas), foi transmitida em várias formulações concordantes. [SCHÄFER]

andreia

andreía (he): coragem. Latim: fortitudo.

Feminino substantivado do adjetivo andreios: masculino, viril, derivado de anér (gen. andrós): o homem masculino. Andreía é, em primeiro lugar, a coragem do guerreiro, bravura, valentia. Tornou-se depois virtude interior de força para o bem.

A maioria dos moralistas gregos pôs a coragem entre as principais virtudes, considerando que o bem não é fácil de fazer, exigindo da parte de um indivíduo de qualquer sexo esforço de aquisição e esforço de resistência ao mal. v. arete.

agnostos

ágnôstos: desconhecido, não cognoscível

1. Devido à transcendência de Deus surgem alguns problemas acerca da possibilidade de este ser um objeto de conhecimento. Um agnosticismo simples é defendido por Protágoras (Diels, frg. 80B 4) onde a questão se subdivide em duas: a de saber se os deuses existem e a de qual é a sua natureza; o problema da agnosia trata, mais propriamente, do último aspecto (sobre a questão da sua existência, cf. theos).

Protágoras

Trata da virtude em geral, e em especial se pode ser ensinada. Contra os sofistas. Se propõe assinalar a diferença entre o método socrático e a sofística.

Jowett: Protagoras 309a-310a — Prólogo

Companion. Where do you come from, Socrates ? And yet I need hardly ask the question, for I know that you have been in chase of the fair Alcibiades. I saw the day before yesterday ; and he had got a beard like a man — and he is a man, as I may tell you in your ear. But I thought that he was still very charming.

Socrates. What of his beard ? Are you not of Homer’s opinion, who says youth is most charming when the beard first appears ? And that is now the charm of Alcibiades.

Com. Well, and how do matters proceed ? Have you been visiting him, and was he gracious to you ?

Jowett: Theaetetus 187a-200d — Se o saber não é sensação, talvez seja opinião verdadeira

Soc. But the original aim of our discussion was to find out rather what knowledge is than what it is not ; at the same time we have made some progress, for we no longer seek for knowledge, in perception at all, but in that other process, however called, in which the mind is alone and engaged with being.

Theaet. You mean, Socrates, if I am not mistaken, what is called thinking or opining.

Jowett: Theaetetus 184b-200d — Dominar estas oposições por uma análise da sensação

Soc. Then now, Theaetetus, take another view of the subject : you answered that knowledge is perception ?

Theaet. I did.

Soc. And if any one were to ask you : With what does a man see black and white colours ? and with what does he hear high and low sounds ? — you would say, if I am not mistaken, “With the eyes and with the ears.”

Theaet. I should.