Tot

Deus egípcio assimilado a , deus grego que, entre outros atributos, possuía o "conhecimento sutil". Os livros herméticos atribuídos ao deus egípcio Hermes Trismegisto, cujos fragmentos foram encontrados no séc.III e traduzidos para o grego no séc. XV (por Marsilio Fieino), contêm uma doutrina filosófica oculta, cultivada por certos alquimistas da Idade Média. Apresentam-se como uma iniciação a uma espécie de alquimia espiritual, e têm por fundamento certas correspondências secretas entre o visível e o invisível, entre o homem e o universo, ou seja, entre o microcosmo e o macrocosmo: o hermetismo abriria o acesso à luz que faz do homem um ser novo como o ouro original, que o arrancaria da matéria e o conduziria ao Deus do amor, revelado em sua criação. [H. Japiassu]

Fedro 274b-277a — A invenção da escrita. O mito de Tot

SÓCRATES: - Só resta, então, falar sobre o que convém e o que não convém escrever, e examinar quando essa arte é bem ou mal empregada. Está certo?

FEDRO: - Sim.

SÓCRATES: - Sabes tu como se pode ser mais agradável aos deuses [theo], em ações [prattein] ou em discursos [legein]?

FEDRO: - Não; e tu sabes?

SÓCRATES: - Tenho vontade de contar-te uma história transmitida pelos antigos; se ela é verdadeira ou não, só deus o sabe. Afinal, se nós pudéssemos conhecer a verdade [aletheia], haveríamos de nos preocupar com o que dizem os homens?

A invenção da escrita: mito de Tot

SÓCRATES.—Basta ya lo dicho sobre el arte y la falta de arte en el discurso.

FEDRO.—Sea así.

SÓCRATES.—Pero nos resta examinar la conveniencia o inconveniencia que pueda haber en lo escrito. ¿No es cierto?

FEDRO.—Sin duda.

SÓCRATES.—¿Sabes cuál es el medio de hacerte más aceptable a los ojos del dios por tus discursos escritos o hablados?

FEDRO.—No, ¿y tú?