elenchos

gr. élenchos: escrutínio, refutação, interrogação. O é um jogo de pergunta e resposta cujo caráter originalmente agonístico é orientado por conteúdos em Sócrates e Platão.

Cármides

Sobre a temperança (sophrosyne). Sócrates foi um bom educador e não um corruptor da juventude. Toma distância do ensinamento socrático impugnando o gnothi seauton e a redução da virtude à ciência. Tenta definir cientificamente a temperança, mas chega a uma conclusão negativa.


Wikipedia: Português; Espanhol; Francês; Inglês (mais completa)

Apologia de Sócrates

Escrita ao regressar Platão de sua viagem ao Egito. Reproduz a defesa de Sócrates diante de seus juízes. Não se ajusta rigorosamente às acusações apresentadas diante do tribunal, mas tem, certamente, valor histórico, pois na data de sua composição viviam todos ou grande parte dos que haviam presenciado o processo.

Taylor: ALC1 (106b-109c) — Interrogatório de Sócrates sobre a competência de Alcibíades

SOC. Do you ask me, whether I am able to prove it to you in a long harangue, such a one as you are accustomed to hear? I have no abilities in that way. But yet I should be able, as I think, to prove to you, that those pretensions of mine are not vain, if you would be willing but to do me one small piece of service.

ALC. If that service be not difficult to be done, I am willing.

SOC. Do you think it difficult, or not, to make answers to such questions as are proposed to you?

ALC. Not difficult. .

SOC. Be ready then to answer.

Jowett: Phaedo (107a-107d) — Tudo ainda não foi dito

I am convinced, Socrates, said Cebes, and have nothing more to object ; but if my friend Simmias, or anyone else, has any further objection, he had better speak out, and not keep silence, since I do not know how there can ever be a more fitting time to which he can defer the discussion, if there is anything which he wants to say or have said.

But I have nothing more to say, replied Simmias ; nor do I see any room for uncertainty, except that which arises necessarily out of the greatness of the subject and the feebleness of man, and which I cannot help feeling.

Brisson: Refutação (elenchos)

A estrutura lógica da refutação foi bem analisada por Gregory Vlastos, seguida por um grande número de comentadores que seria fastidioso apresentar. O respondente, no caso, defende uma tese que se torna o alvo da refutação (elenchos). Em seguida, Sócrates conduz o respondente a lhe acordar proposições que são aceitas sem discussão, mas que vão contradizer a tese que sustentava. Estas conclusões admitidas, Sócrates mostra que estas proposições levam à negação da tese defendida no ponto de partida.

Apologia 28a-31c: Missão divina

Em realidade, cidadãos atenienses, para demonstrar que não sou réu, segundo a acusação de Meleto, não me parece ser necessária longa defesa, mas isso basta. Aquilo, pois, que eu dizia no princípio, que há muito ódio contra mim, e muito acumulado, bem sabeis que é verdade. E isso é o que me vai perder, se eu me perder ... e não Meleto, ou Anito, mas, a calúnia e a insídia do povo: pela mesma razão se perderam muitos outros homens virtuosos, e outros ainda, creio, serão perdidos; não há perigo que a série se feche comigo.

Górgias 482c-483a — Sofismo de Sócrates

Cálicles — Sócrates, dá-me a impressão de que te exibes em teus discursos como o fazem os oradores populares. Mas só declamas dessa forma por haver Polo incidido no mesmo erro que ele censurou em Górgias, quando da discussão deste contigo. Com efeito, Polo disse que Górgias, ao lhe formulares a hipótese de procurá-lo alguém que não conhecesse a justiça, para estudar retórica com ele, se lha ensinaria, respondera afirmativamente por simples modéstia e consideração à opinião dos homens, que protestariam no caso de alguém dar resposta diferente.

Górgias 457c-461b — Sócrates dirige a investigação, definindo princípios

Sócrates — Presumo, Górgias, que tu também já assististe a bastantes discussões, e que deves ter observado não ser fácil para os interlocutores que discorrem sobre determinado assunto defini-lo com harmonia de vistas, nem terminar a reunião com proveito para ambas as partes. Pelo contrário, havendo desacordo e incriminando um deles o opositor de ser pouco veraz ou nada claro, mostram-se agastados e atribuem o reparo a sentimento de inveja, alegando todos que o antagonista se deixa arrastar pelo amor à discussão, sem procurar elucidar o problema em debate.