eidos

gr. eídos = aparência, natureza constitutiva, forma, tipo, espécie, ideia. (gr. , idea) Apesar da frequência e sobretudo da importância da noção em sua obra, Platão não define jamais explicitamente a "forma inteligível".

Conceitos (ennoiai, prolepsis, logoi)

Em Plotino o apelo a conceitos é ainda limitado. Ele fala da necessidade de empregar conceitos já disponíveis no intelecto para reconhecer instâncias de beleza (Eneada-I, 6, 3) ou bondade (Eneada-V, 3, 3) ou fogo (Eneada-VI, 7, 6). Ele também diz que a razão discursiva usa formas (eide) que tem em si mesmo, para passar julgamento (epikrisis) em imagens providas pela percepção dos sentidos (Eneada-I, 1, 9).

Corpo Informado

Segundo Brisson & Pradeau (2002, p.128), o corpo para Plotino é o resultado de uma informação parcial da matéria. É uma razão (logos) originária da alma que é a causa da existência do corpo. Ver, em primeiro lugar, a definição que dele dá o Tratado-12.

Guthrie: Tractate 38 (VI, 7) - HOW IDEAS MULTIPLIED, AND THE GOOD

A. HOW IDEAS MULTIPLY.

1. The eyes were implanted in man by divine foresight.

Senses not given to man because of experience of misfortunes.

Nor because of god's foresight of these misfortunes.

Foresight of creation is not the result of reasoning.

Both reasoning and foresight are only figurative expressions.

In god all things were simultaneous, though when realized they developed.

2. In the intelligible, everything possesses its reason as well as its form.

Intelligence contains the cause of all its forms.