Ficino

Marsilio Ficino foi um notável pensador, tradutor e comentarista da obra de Platão na Renascença italiana, foi também responsável pela primeira tradução do Corpus Hermeticum e das Enéadas para o latim, propiciando sua difusão maior no Ocidente e assim iluminando os passos futuros do pensamento ocidental.

Teologia Platônica XVIII

Continuação do Livro XVII.


Livro Décimo-Oitavo: Opinião sobre a alma, admitida por todos os teólogos

Ch. I — Platão não interdita de se ter fé na teologia, comum aos Judeus, aos Cristão e aos Árabes, que admitem que o mundo foi criado

Ch. II — Os anjos e as almas não existiram sempre

Ch. III — As almas são criadas cada dia

Ch. IV — De onde vem a alma quando desce no corpo

Ch. V — Em que parte do céu as almas são criadas e de que parte descem?

Teologia Platônica XVII

Este Livro XVII como o seguinte, respondem à questão "o que advém das almas quando deixam o corpo?". Esta questão comporta uma dupla resposta, posto que Ficino, não podendo admitir a preexistência das almas, deve se interrogar então sobre sua criação e em seguida sobre seu estado depois de sua separação do corpo. Com Tomás de Aquino ele responde que as almas são criadas no momento mesmo da concepção do ser humano.

Teologia Platônica XVI

Este Livro XVI, segundo Raymond Marcel (1964), responde às seguintes questões: "Porque as almas estão encarceradas em corpos terrestres?"; "Porque, se elas são divinas, estão elas tão perturbadas e têm tanta dificuldade de deixar o corpo?"; "Qual era seu estado antes delas serem unidas ao corpo?".


Livro Décimo-Sexto: Solução das objeções dos epicuristas

Ch. I — Segunda questão: Porque as almas estão presas nos corpos terrestres? Primeira razão. Para poder conhecer os seres singulares

Teologia Platônica XV

Neste Livro XV, segundo Raymond Marcel (1964), Ficino quer responder à questão: "a alma humana é única?". Concernindo o erro de Averróis, Ficino responde por um verdadeiro de Unitate intellectus, cujas ressonâncias tomistas são inegáveis, mas cujo essencial permanece original.


Livro Décimo-Quinto: Solução das objeções de Averróis sobre o intelecto. Cinco questões sobre a alma

Ch. I — Primeira questão: Só há um intelecto único para todos os homens? — Não

Teologia Platônica XIV

Este livro, continuação do Livro XIII, é consagrado, segundo Raymond Marcel (1964), mais especificamente ao desejo inato que carrega o ser humano de querer se fazer deus. Aí ainda Santo Agostinho é frequentemente solicitado, mas Tomás de Aquino não o é menos, sobretudo quando se trata de provar a que ponto a alma humana aspira à Verdade total e ao soberano Bem.

Teologia Platônica XIII

Segundo Raymond Marcel (1964), após as razões comuns a todas as almas e as razões particulares à alma humana, Ficino prometeu, em expondo seu plano, confirmar tudo isso por "signos" antes de responder às objeções. Estes são "signos" que ele expõe neste livro e no seguinte.


Livro Décimo-Terceiro: Quatro signos da imortalidade da alma: As afecções da fantasia, as afecções da razão, as artes e os milagres.

Ch. I. — Em que medida a alma comanda o corpo. Demonstração por numerosos signos e primeiramente pelas afecções da fantasia

Teologia Platônica XII

Este Livro XII, continua a argumentação do Livro XI.


Livro Décimo-Segundo: Que a alma é imortal, porque ela é formada pela inteligência divina.

Ch. I. — Numerosos argumentos e índices que provam que na intelecção a inteligência humana é informada pela inteligência divina

Ch. II. — Primeira questão: Da ascensão para Deus. Como a inteligência se eleva à ideia divina?

Ch. III. — Segunda questão: Porque neste estado não temos consciência de ver Deus?