Primeiro Alcibíades

PRIMEIRO ALCIBÍADES

Sobre a justiça. "Conhecer-se a si mesmo é o fim do homem, que consiste em conhecer-se a si mesmo enquanto alma". "O homem é a alma" (130c-131a). A virtude é necessária tanto para o indivíduo como para a cidade.


Wikipedia: Português; Espanhol; Francês; Inglês (mais completa)
Citações

"Aquele que serve o corpo serve o que é seu, não o que ele é". Alcibíades, 131B

"Aquele que só conhece o corpo, conhece o que é do homem, mas não o homem ele mesmo". Alcibíades, 131A


Tomemos a interpretação de Gwenaëlle Aubry, em sua tradução do tratado 53 de Plotino, que se guia em parte pelo Primeiro Alcibíades. A exploração do preceito délfico toma duas vias sucessivas, das quais uma apenas conclui. Em um primeiro tempo, o objeto do conhecimento de si vai ser identificado ao eu individual e encarnado: também a definição do homem em 129 e na medida que ela faz intervir a relação ao corpo (caracterizada como sendo ao mesmo tempo de uso e de dominação), é ainda aquela do indivíduo. A partir de 132d, no entanto, com a introdução do paradigma ótico, o diálogo se engaja em uma nova via: o que ensina o paradigma, com efeito, é, como escreve Jacques Brunschwig, que "a relação entre alma e alma reconduz (...), pela descoberta do que há de "melhor e mais divino" na alma humana, do divino na alma ao Deus ele mesmo que dela é o modelo. Esta relação conduz ao mesmo tempo, para a descoberta do que há de "impessoal" no que há de "melhor e de mais divino" na alma, a uma superação decisiva da individualidade pessoal". A relação inter-humana, que se pode dizer "horizontal", e que se atualiza, em particular, no diálogo, se supera assim em uma relação "vertical", "excêntrica" ou "teocêntrica". Mas isto, por sua vez, engaja o indivíduo em uma outra relação consigo: descobrindo, através da relação inter-humana, o divino nele, descobre ao mesmo tempo que neste impessoal que é mais ele mesmo.

O "conhece-te a ti mesmo" recebe portanto uma nova interpretação: seu objeto verdadeiro não é o eu individual, encarnado, tomado na relação dialógica (o "sautón"), mas o si impessoal (o "auto to auto"). Como escreve Julia Annas, se meu corpo, pelo qual estou individuada, não faz parte do que sou realmente, então é possível que o que sou realmente nada é de individual: "My real self is just de self itself"1. O que ensina o Primeiro Alcibídades é, portanto, ultimamente, que estou propriamente aí onde não estou, quer dizer além de mim, que sou eu mesmo o que não é eu, quer dizer o que não se reduz a mim — minha essência, na qual se anula o que me singulariza e me qualifica, mas em que reside, no entanto, minha identidade, minha interioridade e minha permanência.

Os comentadores do Alcibíades, no entanto, não se acordam todos sobre esta interpretação; Proclo e Damascio assumem no diálogo, vias opostas e exclusivas: para Damascio, o "conhece-te a ti mesmo" tem por objeto primeiro a alma que usa do corpo como de um instrumento. Este nível é aquele do eu individual, mas também das virtudes civis por oposição às virtudes catárticas e contemplativas; o escopo do diálogo é político. Para Proclo, ao contrário, auto designa somente a alma, e auto to auto (129b1 e 130d4), a parte racional. O escopo do diálogo é portanto ético: o conhecimento de si não tem por objeto primeiro o si individual, mas a alma que se esforça de se depreender do corpo, de se arrancar a sua particularidade.

  • 1. Cf. "Self-knowledge in Early Plato", em D.J. O, Meara (ed.), Platonic Investigations, 1985.