Tratado 27 (IV, 3) - Sobre as dificuldades relativas à alma (1)

Plotin Traités 27-29. Dir. Trad. Luc Brisson e Jean-François Pradeau. GF-Flammarion, 2005


Os tratados 27, 28 e 29 estão sob muitos aspectos no coração da obra de Plotino. São até mesmo quantitativamente, posto que estão justo no meio dos cinquenta e quatro tratados editados por Porfírio, que nos diz que foram redigidos durante o período particularmente fecundo que foram os seis anos ao longo dos quais Porfírio ele mesmo passou em Roma ao lado do mestre. Estes tratados participam de um movimento de síntese e de aprofundamento das questões filosóficas. Como já se vê no Tratado-26 e como se verá ainda nos tratados 30, 31, 32 e 33, este conjunto de tratados do 26 ao 33 parecem perseguir um esforço de elaboração doutrinal no seio do qual o conjunto 27-29 desempenha um papel maior. Os tratados 27-29, de fato, produzem a exposição mais completa da "psicologia plotiniana", quer dizer a exposição de sua doutrina da alma e de todas as dificuldades que aí são tradicionalmente associadas. E por esta razão mesma, estes tratados ocupam um lugar central na obra de Plotino: porque seu objeto é a alma, e porque a alma ela mesma ocupa um lugar ao mesmo tempo intermediário e determinante na concepção plotiniana da realidade mas também na sua teoria do conhecimento e na sua física.
A seguir versões em inglês, francês e espanhol do tratado. Para uma apresentação mais detalhada do tratado, por parágrafo ou capítulo, com comentários visite [[path:/Eneada-IV-3].