Snell: deuses

Excerto de SNELL, Bruno. The Discovery of the Mind: The Greek Origins of European Thought. Tr. T. G. Rosenmeyer. New York: Dover, 1982 (epub)

Em Homero, cada nova reviravolta nos eventos é arquitetada pelos deuses. A Ilíada começa com a praga enviada por Apolo; Agamenon é induzido a retornar Criseis, e sua reivindicação de Briseida como um substituto desperta a ira de Aquiles. Desse modo, a mise en scène dos epos é estabelecida. No início do segundo livro, Zeus despacha o sonho falso para Agamenon, que com sua promessa de vitória o envia para a batalha; daí a guerra e o desastre visitarem os gregos. E assim a história continua. No início da Odisseia, assistimos à assembleia dos deuses que decide sobre o retorno de Odisseu; repetidamente os deuses intervêm até que, finalmente, Odisseu, com a ajuda de Atena, consegue matar os pretendentes. Dois dramas são encenados simultaneamente, um em um palco superior, entre os deuses, e outro aqui na terra. Tudo o que acontece embaixo é determinado pelas transações dos deuses uns com os outros. Pois a iniciativa humana não tem fonte própria; tudo o que é planejado e executado é o plano e a ação dos deuses. Não só falta ao esforço humano um começo inerente, mas também não tem um fim adequado. Os deuses sozinhos agem de tal maneira que alcançam seus objetivos, e mesmo que um deus às vezes não consiga realizar todos os seus desígnios - Zeus incapaz de salvar seu filho Sarpedon da morte, ou Afrodite que deve sofrer por ser ferida em batalha - a suprema frustração da raça humana, eventual morte, não é para eles.

Esta vida superior que os deuses vivem em seu plano exaltado confere sentido à existência dos homens. Agamenon se propõe a conquistar, mas Zeus há muito decidiu que os gregos serão derrotados. Todos os vários empreendimentos nos quais os homens colocaram seus corações, que eles executariam mesmo com o risco de suas vidas, são pilotados pelos deuses e obedecem ao seu menor aceno; são seus desígnios que se realizam, e só eles sabem o fim de cada coisa. Esta posição dos deuses nos épicos homéricos é responsável pela cunhagem do termo "aparato divino" (Goetterapparat), como se o poeta pudesse usar os deuses arbitrariamente, como um estratagema literário para acelerar uma ação que desacelerou. Nas obras épicas da antiguidade posterior, esse mecanismo dos deuses torna-se tão sem vida que Lucano não hesita em deixá-lo de lado, pelo que foi muito criticado por seus contemporâneos. O poeta homérico, entretanto, não exerce nenhum poder discricionário sobre as aparições de seus deuses. Ao contrário, eles frequentemente entram em cena em momentos em que um aparato divino é perfeitamente supérfluo; em vez de servir para promover um evento que de outra forma seria difícil de explicar, a intervenção dos deuses na verdade interrompe a sequência natural de uma ação, ou pelo menos assim pareceria ao nosso gosto mais sofisticado.