Brisson

Luc Brisson (1946) é um notável filósofo francês, especialista na tradição filosófica antiga, especialmente de origem grega.

WIKIPEDIA

OBRA NA INTERNET: LIBRARY GENESIS

REFERÊNCIAS NO SITE:

Platonismo Latino

Extrato de Brisson, Luc (1998), “La Platonisme”, in Monique Canto-Sperber (dir.), Philosophie grecque. PUF, Paris.

Uma história da filosofia na Antiguidade não pode dispensar de fazer uma menção particular à tradição latina, e isso por duas razões.

Brisson: zoon

Um ser vivo é um corpo animado. É a presença de uma alma em um corpo que define o vivo. Todas as coisas sensíveis dotadas de uma alma e de um corpo são portanto viventes, desde os vegetais até o mundo em seu conjunto.

symposion

O termo « Banquete » traduz inadequadamente o grego symposion que significa literalmente « bebericação em comum ». O symposion é uma instituição particular aos antigos gregos, que associa convivialidade e cultura. Segue o deipnon, a ceia que constitui a refeição propriamente dita. O vinho faz sua aparição ao final da refeição, sob a forma de uma libação de vinho puro.

sophistes

Segundo Brisson, uma leitura ingênua de Platão e de Aristóteles deixa crer uma condenação sem apelo dos Sofistas, que sempre são postos em oposição a Sócrates.

Brisson: hedone

hêdoné: prazer. Não há em Platão condenação dos prazeres, mas uma reflexão sobre a maneira pela qual se pode dominá-los, quer dizer deles fazer uso. Os prazeres do corpo como os prazeres da alma devem ser ordenados a seus usos. A crítica socrática da intemperança não é todavia uma crítica dos prazeres. Aqui como em outras partes (na República por exemplo), Platão não condena os prazeres enquanto tais mas condena a impossibilidade na qual se encontram certos homens em distinguir os prazeres e em apreciar a oportunidade de sua satisfação. (Luc Brisson)

idea

(gr. eidos, idea) Apesar da frequência e sobretudo da importância da noção em sua obra, Platão não define jamais explicitamente a "forma inteligível". Os termos gregos de eidos ou de idea não podem jamais serem traduzidas pelo termo "ideia", que designa inelutavelmente, desde Descartes pelo menos, uma representação, quer dizer um objeto mental. Ao contrário, as formas inteligíveis são realidades imutáveis e universais, independentes dos intelectos que os percebem. Elas são além do mais as únicas realidades, posto que é em participando das formas inteligíveis que todas as coisas existem.

Funções da Alma

Como causa do movimento e sujeito do conhecimento, a alma exerce um certo número de funções. Do momento que ela está encarnada a alma deve com efeito animar o corpo ao qual está ligada: ela deve movê-lo e conhecê-lo, quer dizer governá-lo. (Luc Brisson)

Experiência

Submitted by mccastro on Tue, 01/05/2012 - 14:48

A percepção sensível ou sensação (aisthesis) apresenta um duplo aspecto, pois ela estabelece uma relação entre um sujeito, que é um vivente provido de um corpo e de uma alma, e um objeto que se encontra no exterior dele. No Timeu, Platão distingue mais precisamente as sensações comuns, que interessam o corpo por inteiro e que referem-se ao tato, e a sensações particulares que interessam um órgão determinado do corpo: a vista pelo olho, a audição pelo ouvido, o odor pelas narinas e o gosto pela língua (Timeu 65b-68b). (Luc Brisson)

kyklos

gr. kyklos = círculo. O corpo é um conjunto complexo de elementos cuja configuração e os diferentes movimentos não são circulares. Ao contrário, a alma que é perfeita só cumpre o movimento circular, aquele que é sempre idêntico a si. Como portanto conceber a direção de um conjunto sensível plural, movido de diferentes maneiras, por um movimento circular incorporal?

anthropos

Como todos os seres vivos, o homem (gr. anthropos) é um corpo animado. Tem todavia por particularidade, entre os animais terrestres, poder de exercer as três função psíquicas que são o desejo, o ardor e o intelecto. Esta capacidade aproxima o homem do divino e faz dele um animal ao mesmo tempo mortal e suscetível de conceber o que é imortal (o divino e as formas inteligíveis). O homem é o animal terrestre que tem que ver com a verdade. (Luc Brisson)