Kingsley: logos

Excerto traduzido de KINGSLEY, Peter. Reality. Inverness: The Golden Sufi Center, 2003, p. 129-130

[No Poema de Parmênides] As palavras gregas originais traduzidas para o inglês como “julgar pela razão” são krinai logoi. Geração após geração de estudiosos muito razoáveis trabalharam duro para fazer parecer certo que logoi, aqui no poema de Parmênides, pudesse significar "pela razão”. [...]

Só existe um problema. A tradução está errada. “Razão”, no sentido da faculdade que parece nos tornar seres racionais, é um sentido particular que esta palavra logos só passou a ter muito tempo depois da morte de Parmênides.

A primeira vez que começa a significar algo como “raciocínio”, ou chegar perto de nossas ideias modernas sobre “lógica”, é com Platão. Mas isso foi um século depois de Parmênides. E tão significativo quanto a lacuna em anos é o fato de que, mesmo assim, esse significado não aparece de repente totalmente desenvolvido. Pelo contrário: podemos observá-lo evoluindo gradualmente nos escritos de Platão, passo a passo, a partir de uma ideia estranha que ele assumiu de seu mestre Sócrates e depois começou a se desenvolver ao longo de suas próprias linhas.

Essa era a ideia - tão misteriosa que as pessoas ainda estão tentando justificá-la mais de dois mil anos depois - de que o caminho para se chegar à verdade é por meio de uma discussão cuidadosa, debatendo os assuntos com paciência, conversando sobre eles. O início de todas as nossas noções e crenças sobre a lógica reside na palavra falada.

E assim chegamos ao significado original da palavra logos, como foi usada desde os primeiros escritores gregos em diante.

Esse significado não era pensamento ou razão, ou qualquer coisa tão abstrata. Era fala, discussão; palavras ditas.

Quanto a Parmênides, ele usa a palavra mais de uma vez em seu poema. E a cada vez, assim como deveríamos ter sido capazes de adivinhar, ele dá o mesmo sentido direto de palavras faladas ou coisas ditas.

Há um ponto, bem no final de seu ensino sobre a verdadeira natureza da realidade, onde a deusa se refere ao que ela disse a ele como um logos. E ela enfatiza de forma muito reveladora que este seu logos - a mensagem que ela está transmitindo a ele em palavras - é "confiável", "fiável".

O detalhe é importante. Ficamos tão intoxicados com o que pensamos com otimismo como os poderes da lógica, tão confiantes em nossa capacidade de distinguir o verdadeiro do falso e distinguir o certo do errado, que tendemos a esquecer um fato humilde sobre as origens do logos.

Não significa apenas palavras faladas. Ele também tinha a conotação forte de palavras faladas de forma enganosa. No tempo de Parmênides, ainda havia uma suposição muito saudável de que se alguém afirmava com grande seriedade estar dizendo a verdade sobre como as coisas realmente são, era provável que fosse tudo um truque.

As pessoas tinham muito mais respeito naquela época pelo poder mágico da palavra falada - por sua capacidade de encantar e enfeitiçar. Eles eram muito menos ingênuos do que nós: estavam mais cientes de que aqueles que mais sabem e são mais articulados são os que têm maior probabilidade de enganar.

E há outro lugar também, muito antes em seu poema, onde Parmênides usa a palavra logos. Este é o ponto onde ele descreve como as Filhas do Sol “persuadiram astutamente” a Justiça “com palavras suaves e sedutoras” para abrir - só para elas - os portões que dão acesso à casa da deusa que não tem nome.